Profundidades

A cada minuto que se passa, consigo conviver melhor com a ideia de não ter você comigo.
A cada instante, respiro com mais tranquilidade também.

Por que você era tudo, menos tranquilidade. Eu era o domingo de chuva enquanto você era o sábado à noite. Eu era o chá da tarde e você aquele churrasco de sábado. Respirar com tranquilidade, perto de você? Fora de cogitação. Se existia alguém nesse mundo capaz de me roubar o fôlego em questão de segundos, certamente era você.

E se existia alguém que poderia consertar qualquer trinco no meu coração partido, eu sabia que só poderia ser você. A ironia da história é que, além de ter o poder de consertá-lo, também poderia parti-lo.

Eu era uma muralha impenetrável e você um livro aberto. Desse livro, percebi com o tempo, saiu um jovem rapaz, pronto para atravessar essa muralha que me rodeava.

Infelizmente, não consegui ser aquilo que você queria que eu fosse. Nenhum dos dois abdicou do que tinha, apenas experimentou do que foi apresentado e acho que mereço uma grande parte dessa culpa. Não consegui me abrir como deveria ter feito e tornei o que tínhamos em um jogo de poder, onde aquele que cedia primeiro tornava-se o mais vulnerável. Não deixei você me atravessar na profundidade que você queria, apenas deixei-o mapear minhas superfícies. E um relacionamento não se faz com superficialidades, mas com profundidades.

A cada minuto que se passa, consigo conviver melhor com a ideia de não ter você comigo.
A cada instante, convivo melhor com essa dor também.

Por que você era coragem e eu só fui covarde.

Profundidades

Quando percebi que não era mais amor

Posso contar nos dedos quantas vezes brigamos de verdade. Não éramos esse tipo de casal, nunca fomos de ter brigas frequentes e sempre nos resolvíamos no diálogo.

Aliás, essa era uma das minhas coisas favoritas na gente. Nós conversávamos. Eu sentia que não era só uma troca de palavras, mas de pensamentos e vivências. E eu sentia que você se importava em me ouvir, assim como eu me prestava a fazê-lo também.

Posso dizer que a gente se amou muito. Eu te amei muito. Mas nem sempre o amor dura para sempre. As vezes ele só dura o suficiente para ser sempre lembrado.

Quando eu percebi que não era mais amor, senti falta da mensagem de “bom dia” que você me mandava todos os dias. Senti falta de você me perguntar, pela noite, como havia sido meu dia. Não sei ao certo quando você começou a esquecer de me desejar um bom dia ou de se preocupar em saber, ao fim dele, se de fato ele havia sido bom. Acho que você foi parando e se esquecendo aos poucos.’

Quando eu percebi que não era mais amor, o “bom dia” foi substituído por “boa noite”, encerrando uma conversa para ir dormir, ao invés de continuar conversando até um dos dois cair no sono. Percebi que a gente estava ocupado demais durante a semana para se ver e não se via mesmo. A gente começou a “deixar para a próxima” o que antes era inadiável.

Mas nem sempre o amor dura para sempre. As vezes ele só dura o suficiente para ser sempre lembrado.

Então me despeço, sabendo que o amor que existia entre nós já se despediu primeiro.

Boa noite, ex-amor.

Quando percebi que não era mais amor